Quadrinhos

Conferimos “Ameaça ao Mirage F1”, primeira parte do retorno da série clássica de Tanguy e Laverdure

Untihghghgftled-2
Escrito por PH
E-Books Mais Vendidos

Untihghghgftled-2Já faz tempo que comprei na Casa Mattos, no Rio de Janeiro, meu primeiro álbum da Editorial Íbis de Tanguy e Laverdure, dois pilotos da Força Aérea Francesa que também viraram Os Cavaleiros do Céu de um famoso seriado de TV, entre 1967 e 1970, estrelando por Jacques Santi no papel de Tanguy e Christian Marin como Laverdure.

Na verdade, As aventuras de Tanguy e Laverdure é uma série em quadrinhos criada pelo roteirista Jean-Michel Charlier e pelo desenhista Uderzo. Essa grande saga aeronáutica das HQs começou a ser publicada, em 1959, na revista Pilote. Em seguida, a partir de 1961, estreou em álbuns que até hoje são editados com traço e texto de outros artistas, já que Uderzo passou a se dedicar exclusivamente a Asterix, enquanto Charlier falecia em 1989. O consagrado desenhista Jijé foi um dos desenhistas que, nos anos 1970, continuou a epopeia desses verdadeiros ases da aviação militar.

Depois de anos de interrupção, a série voltou em 2002, realizada por Jean-Claude Laidin (arte) e Yvan Fernandez(texto), este último, substituído por Renaud Garreta, em 2005. No final de 2012, a parceria Laidin/Fernandez retornou às livrarias. Foi deles, a autoria de Le Vol 501 ne répond plus (O Voo 501 não responde mais). Logo após, em dezembro de 2015, saiu Tanguy et Laverdure – Les nouvelles aventures Tome 4: Taïaut sur Bandit, de . 

No ano de 2016, a franquia fez retomou seu formato clássico, com o traço bastante semelhante ao original de Uderzo, paralelamente à série regular que continua com diagramação e desenhos mais modernos.

livre

Menace sur Mirage F1 foi o nome dessa novidade, trazendo arte de Matthieu Durand. O argumento da BD, em duas partes, foi adaptado por Patrice Buendia, baseado no único livro existente de Tanguy e Laverdure, intitulado L’avion qui tuait ses pilotes, de autoria do próprio Jean-Michel Charlier. Em 14 de abril de 2016, chegou o tomo dois da saga clássica repaginada, intitulado O Avião que matava seus pilotos, BD que eu infelizmente ainda não tive o prazer de ler.

Capa menace grande

Menace Page

Pelo menos, consegui conferir a parte 1, novamente com texto do saudoso Jean-Michel Charlier e desenhos de Durand.  Ameaça ao Mirage F1 traz como tema a possível venda de aviões Mirage para outros países. Para viabilizar o negócio, pilotos estrangeiros são convidados para avaliar a aeronave, supervisionados por Tanguy e Laverdure. O problema é que diversos acidentes, quase fatais, vão acontecendo durante a realização dos testes. Tudo leva a crer que exista um sabotador tentando desacreditar o Mirage F1 perante as nações estrangeiras até então interessadas em adquiri-lo, com o objetivo de favorecer o projeto aeronáutico de uma empresa americana. E tudo isso acontece ao mesmo tempo em que Laverdure está noivo de uma rica jovem, cuja família exige que ele deixe a Força Aérea para se casar com a moça e ser empregado por seu pai em uma de suas endinheiradas e prósperas empresas. Tanguy tentará dissuadir o amigo de cometer tamanha besteira e estragar sua carreira militar, enquanto procura descobrir qual é o sabotador do Mirage F1.

Essa BD aventureira tem formato de 24,2 x 32 cm, 48 páginas preço de 14,00 €. Foi uma das mais legais que já devorei dos personagens, nos últimos tempos, num tamanho bem maior do que o das antigas edições. Isso proporcionou uma leitura mais prazerosa das pranchas, nas quais os detalhes dos aviões ficam incrivelmente mais belos e nítidos. Dez mil vezes melhor do que a série regular, atualmente nas mãos de Toublanc e Laidin!

Estou, agora, dando um jeito de conseguir o segundo tomo! Na crise, vale qualquer escambo! Dê uma olhadinha abaixo em sua capa e em seu interior.

Imagens : © DARGAUD – ZÉPHYR BD / Matthieu Durand

Por PH.

Tuait BD

Tuai planche

Sobre o Autor

PH

É ex-locutor do TOP TV da Record e radialista. Também produz a série Caçador de Coleções e coleciona HQs europeias, nacionais e quadrinhos underground

Deixe seu comentário